Associação Goiana do Ministério Público repudia ataques a Fernando Krebs


Entidade de classe que congrega membros, ativos e aposentados, do Ministério Público do Estado de Goiás, emitiu nota de desagravo às ofensas proferidas pelo ex-secretário da Fazenda a membro do Ministério Público goiano

0

A Associação Goiana do Ministério Público (AGMP), entidade de classe que congrega membros, ativos e aposentados, do Ministério Público do Estado de Goiás, emitiu nota de desgravo às ofensas proferidas em nota pelo ex-secretário da Fazenda do governo Marconi Perillo, João Furtado de Mendonça Neto, que, inconformado com a decisão da justiça goiana que decretou a indisponibilidade dos seus bens, assim como os do ex-governador de Goiás, proferiu uma séria de acusações e ofensas morais ao promotor de justiça Fernando Krebs.

No último dia 15, a Juíza Patrícia Dias Bretas, da 3ª Vara da Fazenda Pública Estadual, acatou o pedido do Ministério Público de Goiás e decretou a indisponibilidade dos bens do ex-governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), e do ex-secretário da Fazenda João Furtado de Mendonça Neto por ato de improbidade administrativa, em razão de irregularidades na edição de norma que permitiu o aumento e pagamento retroativo de diárias ao governador, vice, secretários e assessores.

Em nota enviada aos veículos de comunicação que noticiaram a decisão judicial, João Furtado teria feito graves declarações atentatórias contra a moral de Fernando Krebs, chamando-o de “mau caráter” e o acusando de promover “baixaria jurídica”, movido por frustração íntima, inveja e ambição política.

“É uma baixaria jurídica de má fé e obra de um mau caráter que infelizmente ocupa em proveito próprio um cargo de Promotor Publico”, disse o ex-secretário da Fazenda, esquecendo-se, no entanto, que a decisão de bloquear os seus bens é da justiça e não do promotor Fernando Krebs.

Para a AGMP, é direito do ex-secretário demonstrar inconformismo e defender a versão que lhe aprouver em relação às imputações que lhe foram efetuadas. Contudo, não é lícito ou aceitável que extrapole o seu direito de defesa, dirigindo ofensas pessoais e acusações vagas contra um membro do Ministério Público.

“Por essas razões, a Associação Goiana do Ministério Público (AGMP) vem a público externar apoio ao promotor de Justiça Fernando Aurvalle da Silva Krebs, titular da 57ª Promotoria de Justiça de Goiânia, reafirmando que o Ministério Público e seus membros se manterão firmes no propósito de defender o patrimônio público e a sociedade”, diz a nota divulgada.

Vejam a íntegra da nota da AGMP

A ASSOCIAÇÃO GOIANA DO MINISTÉRIO PÚBLICO (AGMP), entidade de classe que congrega membros, ativos e aposentados, do Ministério Público do Estado de Goiás, tendo em vista o conteúdo ofensivo da nota do ex-secretário de Governo João Furtado de Mendonça Neto veiculada pela imprensa goiana, esclarece e informa o que segue.

O promotor de Justiça Fernando Aurvalle da Silva Krebs, no exercício de suas prerrogativas e no cumprimento do seu dever legal, propôs ação civil pública por prática de ato de improbidade administrativa em face do citado ex-secretário de Estado, com pedido liminar de bloqueio de bens, o qual foi acolhido pelo órgão competente do Poder Judiciário.

É direito do ex-secretário demonstrar inconformismo e defender a versão que lhe aprouver em relação às imputações que lhe foram efetuadas. Contudo, não é lícito ou aceitável que extrapole o seu direito de defesa, dirigindo ofensas pessoais e acusações vagas contra um membro do Ministério Público.

Por essas razões, a Associação Goiana do Ministério Público (AGMP) vem a público externar apoio ao promotor de Justiça Fernando Aurvalle da Silva Krebs, titular da 57ª Promotoria de Justiça de Goiânia, reafirmando que o Ministério Público e seus membros se manterão firmes no propósito de defender o patrimônio público e a sociedade.

A Presidência.

Sobre o autor

Graduando em Administração de Empresas pela UFG - Campus Goiânia, crítico das práticas politiqueiras e absolutamente intolerante a corrupção. @regesmaia

Comments are closed.