Com oposição unida, chance de vitória em Goiás cresce e pode se dar ainda no primeiro turno, diz Dona Íris


A primeira dama de Goiânia lembrou que tanto Daniel Vilela quanto Ronaldo Caiado são candidatos de oposição e que o espírito público motivará a conjugação de forças entre ambos

0

Em entrevista publicada no Jornal O Popular de ontem, 25, a primeira dama de Goiânia, Dona Íris de Araújo, falou sobre o quadro político goiano e fez questão de ressaltar que a união entre as principais forças da oposição, Daniel Vilela (MDB) e Ronaldo Caiado (DEM), seria o quadro ideal para consolidar a vitória nas eleições para o governo de Goiás, em outubro próximo.

De acordo com Dona Íris, é natural que neste momento sejam colocadas duas candidaturas oposicionistas, mas não se pode considerar que tudo esteja definido. “A oposição tem pontos divergentes, mas que podem se adequar a fim de caminhar para uma candidatura única futuramente. Vamos lutar por isso. Pode ser Daniel ou pode ser Caiado, pois os dois se dizem oposição”, pontuou.

A primeira dama fez questão de lembrar que Iris Rezende, como o maior expoente do MDB goiano, merece o respeito de todo o partido e que acompanha, com muita tranquilidade, a sua indicação. “Daniel é o candidato do nosso partido e, portanto, estarei ao lado dele. Até porque quem dita as ordens é o líder maior. Partido que não tem líder para ditar rumos, fica muito fraco e, felizmente, nós temos Iris e sou obediente a ele”, afirmou.

Para Dona Íris, a união da oposição pode colocar fim a um jejum que já dura 20 anos em Goiás. Unida, diz a emedebista, a oposição pode vencer já no primeiro turno. “A responsabilidade é de todos nós, de todos os candidatos, de formar um corpo formidável para que a oposição possa vencer as próximas eleições. Vamos enfrentar um adversário poderoso e temos conhecimento disso”, lecionou.

Sobre o autor

Graduando em Administração de Empresas pela UFG - Campus Goiânia, crítico das práticas politiqueiras e absolutamente intolerante a corrupção. @regesmaia

Comments are closed.