Marconi Perillo (PSDB) vai perder o foro privilegiado em abril próximo


Ao renunciar ao cargo de governador para disputar eleição para senador, processo contra o tucano poderá ser apreciado por juiz de primeira instância da justiça goiana

0

Candidatíssimo ao cargo de senador da República, o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), vai perder o foro privilegiado em abril próximo e poderá ser julgado pela justiça comum. O tucano, que deve renunciar ao cargo até 31 de março, foi denunciado ao Superior Tribunal de Justiça em 2017, acusado de corrupção passiva, por ter supostamente recebido R$ 90 mil em propinas da Construtora Delta, do empresário Fernando Cavendish, também denunciado à justiça.

De acordo com a denúncia (ação penal que tramita no STJ sob o nº 855), em consequência dos valores recebidos indevidamente, Perillo determinou que fosse ultimada a segunda aditivação do contrato 75/2009, onerando o Estado em R$ 3,04 milhões.

Chama atenção para o fato de que “Marconi Perillo teria plena ciência de que o valor despendido com o contrato de locação, nos moldes como posto, era desvantajoso para a Administração e ilegal”, diz trecho da denúncia.

A PGR frisa que se o Estado tivesse optado por adquirir as 1.981 viaturas, objeto do contrato, ao invés de desembolsar os R$ 75 milhões com alugueres, gastaria apenas R$ 39 milhões.

Sem o foro, um juiz de primeira instância da justiça goiana estará apto a julgar Marconi Perillo, que, se condenado, ainda poderia recorrer e garantir sua candidatura ao senado. Entretanto, uma condenação nesse sentido dificultaria sobremaneira a sua eleição.

Sobre o autor

Graduando em Administração de Empresas pela UFG - Campus Goiânia, crítico das práticas politiqueiras e absolutamente intolerante a corrupção. @regesmaia

Comments are closed.