Ministério Público de Goiás pede bloqueio dos bens de Marconi Perillo


Ex-governador de Goiás foi acionado por improbidade administrativa em razão de irregularidades na edição de norma que permitiu o aumento e pagamento retroativo de diárias ao governador, vice, secretários e assessores.

0

O promotor de justiça Fernando Krebs propôs ação civil pública contra o ex-governador de Goiás Marconi Perillo e o ex-secretário da Fazenda João Furtado de Mendonça Neto por ato de improbidade administrativa, em razão de irregularidades na edição de norma que permitiu o aumento e pagamento retroativo de diárias ao governador, vice, secretários e assessores. Estima-se que a manobra gerou um prejuízo de mais de R$ 2,5 milhões aos cofres públicos.

Na ação, o promotor requereu a condenação dos acionados nas penalidades previstas na Lei de Improbidade Administrativa, o pagamento de R$ 2,5 milhões para reparação do dano material ao patrimônio público, multa de R$ 3 milhões, e R$ 7,6 milhões por dano moral coletivo difuso. Foi requerida também a nulidade do Decreto n° 9.026/2017, que alterou o Decreto n° 7.141/2010, o qual majorou em 25% o valor das diárias e indenizações de transporte pagas ao então governador e sua equipe. Segundo apontado pelo promotor, o decreto teve seus efeitos retroagidos a 1° de junho de 2017.

Tais fatos, aliados à notícia de suposto deficit orçamentário e altos valores inscritos como restos a pagar do exercício do então governador, motivaram a propositura da ação de improbidade, juntando-a aos autos da ação popular, que está conclusa para sentença desde o início de junho deste ano. As demandas tramitam na 2ª Vara da Fazenda Pública Estadual.

Fonte: Cristiani Honório / Assessoria de Comunicação Social do MP-GO

Sobre o autor

Graduando em Administração de Empresas pela UFG - Campus Goiânia, crítico das práticas politiqueiras e absolutamente intolerante a corrupção. @regesmaia

Comments are closed.