Ministério Público propõe ação contra o site Goiás 24 Horas e mais três agentes públicos


De acordo com a denúncia do promotor Fernando Krebs, o site de propriedade de Cristiano Livramento da Silva teria recebido mais de R$ 800 mil de verbas públicas para publicar matérias favoráveis ao Governo de Goiás

0

O Ministério Público de Goiás, por meio do promotor de Justiça Fernando Krebs, titular da 57ª Promotoria de Defesa do Patrimônio Público, propôs junto à justiça goiana ação civil pública por improbidade administrativa em desfavor de Cristiano Livramento da Silva, dono do site Goiás 24 horas.

Também foram denunciados na mesma ação o atual secretário da Fazenda do Estado de Goiás, Manoel Xavier Ferreira Filho, o secretário de Governo de Goiás, João Furtado de Mendonça Neto e o diretor-geral do Grupo Executivo de Comunicação do Estado, Luiz José Siqueira.

Narra a peça do MP-GO que, enquanto diretores-gerais do Detran-Go, Manoel Xavier e João Furtado teriam destinado mais de R$ 238 mil em verbas públicas de publicidade institucional ao blog Goiás 24 Horas. Em troca, o proprietário do blog, Cristiano Livramento da Silva, publicou matérias “chapa branca” em favor do Governo de Goiás e outras desancando os adversários dos mandatários de ocasião.

Da mesma forma, Luiz José Siqueira, na condição de diretor-geral do Grupo Executivo de Comunicação, destinou cerca de R$ 635 mil o site Goiás 24 Horas para que o mesmo, segundo a denúncia do MP-GO, divulgasse matérias sempre favoráveis ao governo de Goiás e outras constrangendo os adversários do tucanato em Goiás. De 2015 a 2017, o site de Cristiano Livramento da Silva teria recebido quase R$ 875 mil de verbas públicas.

No final do mês de agosto próximo passado, o Ministério Público também acionou outro blog qualificado como “chapa-branca” por ter recebido quase R$ 1 milhão de verbas públicas em publicidade digital para, segundo a denúncia, enaltecer o ex-governador Marconi Perillo e atacar seus adversários políticos.

No caso do Goiás 24 Horas, o promotor Fernando Krebs alega que o valor cobrado pelo site é cerca de 378 vezes maior do que o praticado no mercado de mídias digitais. Enquanto o Custo Por Mil visualizações (CPM) de sites de maior audiência no Estado, como o O Popular Online, por exemplo, é de R$ 2,69, o CPM pago ao site Goiás 24 Horas teria chegado a R$ 1.017,00.

O Ministério Público pede o ressarcimento ao erário dos valores pagos a Cristiano Silva, além do pagamento de multas, que somadas totalizam mais de R$ 2,6 milhões.

 

Sobre o autor

Graduando em Administração de Empresas pela UFG - Campus Goiânia, crítico das práticas politiqueiras e absolutamente intolerante a corrupção. @regesmaia

Deixe um comentário