Promotor diz que responderá ataques rasteiros com ações penais contra detratores


Fernando Krebs passou a ser atacado depois que propôs ação de improbidade contra blogueiros e autoridades públicas, que teriam montado uma rede de disseminação de fake news bancada com dinheiro público para atacar adversários do governo tucano em Goiás

0

Nos últimos dias, o promotor de Justiça Fernando Krebs, da 57ª Promotoria de Defesa do Patrimônio Público, do Ministério Publico de Goiás, tem sido vítima de uma articulada campanha de difamação, supostamente movida por uma rede de blogueiros, segundo o próprio MP-GO, ligados ao ex-governador de Goiás Marconi Perillo (PSDB).

Os ataques começaram depois que o promotor, no cumprimento do seu dever legal e constitucional de membro do Ministério Público, acionou, cível e penalmente, blogueiros e ex-integrantes do governo de Goiás, denunciando a formação de uma rede de fake news especialmente criada para disseminar factoides em favor do ex-governador de Goiás e outros atacando os adversários políticos dos então mandatários do Estado, com cunho eminente político e sem nenhum conteúdo institucional.

De acordo com o promotor, foram efetuados vários pagamentos pelos supostos serviços prestados pelos blogs em valores superfaturados para veicularem publicidade digital, com preço igual ou superior ao cobrado por grandes mídias e portais de notícias com milhões de visualizações mensais. De acordo com o MP-GO, teriam sido pagos mais de R$ 2 milhões aos proprietários de tais blogs entre 2015 e 2017.

Os acusados nas ações movidas pelo Ministério Público, ao invés de se defenderem na justiça, optaram pela divulgação de matérias ofensivas à honra e à reputação do promotor de justiça e também representações à Corregedoria Nacional do Ministério Público, tentando, a todo custo, desqualificar o membro do órgão ministerial.

O CNMP, no entanto, não tem acatado às reclamações e decidido pelo arquivamento de tais representações, já que, segundo o órgão correicional do Ministério Público, as funções constitucionalmente atribuídas ao Ministério Público, por sua própria natureza, demandam que a atuação de seus membros, frequentemente, se contraponha a interesses privados de terceiros e, por vezes, a combatividade de muitos promotores e procuradores é equivocadamente apontada como indicativo de motivação pessoal ou até mesmo de perseguição.

Fernando Krebs diz que não se intimidará e vai continuar desempenhando suas atribuições constitucionais de modo a preservar a probidade administrativa e que irá responder com a propositura de ações penais tanto as injúrias, calúnias e difamações, bem como todas as denunciações caluniosas que fizerem contra ele junto ao CNMP.

 

Sobre o autor

Graduando em Administração de Empresas pela UFG - Campus Goiânia, crítico das práticas politiqueiras e absolutamente intolerante a corrupção. @regesmaia

Deixe um comentário