Sem consenso, destino do PP goiano nas eleições 2018 deve ser decidido na justiça


Ala do partido liderada pelo deputado Roberto Balestra não concordou com decisão de que propostas de alianças ficassem para depois da convenção do partido e prometeu levar a questão à justiça

0

O Partido Progressista deve decidir seu destino nas eleições de 2018 em Goiás na justiça. É o que promete o deputado estadual, e um dos líderes da legenda, Roberto Balestra. De acordo com informações da jornalista Cileide Alves, da Rádio Sagres 730, publicada no twitter, Balestra não teria aceitado que a aliança a ser fechada pelo PP não fosse decidida na convenção.

Segundo a jornalista, Balestra teve apoio de vários prefeitos, que querem judicializar a convenção. “O deputado Balestra liderou o racha no PP. Não aceitou que a decisão de aliança não tenha sido tomada na convenção. Diz que a ata da convenção que dá poder à executiva para decidir não foi colocada em votação”, escreveu Cileide no microblog.

Já o ministro das Cidades, Alexandre Baldy, presidente do PP em Goiás, disse na convenção que trabalha para que o partido tenha expressiva participação na Assembleia Legislativa e no Congresso Nacional. Nos bastidores, Baldy assegura lutar por espaço que permita a Vanderlan Cardoso disputar uma das vagas para o Senado Federal. Para que isso ocorra, o PP só poderá contar com a chapa de Daniel Vilela (MDB), já que é a única que ainda dispõe de uma vaga na chapa majoritária.

 

Sobre o autor

Graduando em Administração de Empresas pela UFG - Campus Goiânia, crítico das práticas politiqueiras e absolutamente intolerante a corrupção. @regesmaia

Comments are closed.