Connect with us

Política

Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia recomenda a não flexibilização das atividades não essenciais, mantendo apenas as previstas no decreto estadual

De acordo com a SMS, a curva de casos confirmados no município de Goiânia está menor em comparação com outras capitais, o que pode ser explicado pelas medidas de restrição social implementadas, e que, para avaliar a possibilidade de ampliar a flexibilização, será realizado um inquérito sorológico populacional.

Published

on

Nota Técnica da Secretaria Municipal de Saúde Goiânia recomenda a não flexibilização das atividades não essenciais na capital, mantendo apenas àquelas previstas no Decrto nº 9.653, de 19 de abril de 2020, do Governo do Estado de Goiás, desde que guardados os princípios de distanciamento visando evitar aglomerações e garantidos os devidos cuidados de proteção individual e etiquetas de higiene, apoiados nos protocolos estabelecidos pela própria secretaria.

O documento foi assinado pela secretária Municipal e Saúde, Fátima Mrué, na tarde desta quinta-feira, 30/04. A nota técnica ressalta que a curva de casos confirmados no município está menor em comparação com outras capitais, o que pode ser explicado pelas medidas de restrição social implementadas e também pela mudança nos hábitos da população em relação às medidas de prevenção da COVID-19, dentre elas o uso de máscaras caseiras, a higienização constante das mãos, uso de álcool gel, entre outras.

A Secretaria recomenda imperiosa cautela nas medidas de flexibilização, considerando que estas podem causar piora do cenário epidemiológico com aumento súbito dos casos, o que poderá ocasionar um colapso na capacidade assistencial. “No momento atual não há evidencias cientificas e epidemiológicas que respaldem maior flexibilização das medidas restritivas implementadas no município de Goiânia”, conclui a nota técnica.

Segundo a SMS, um inquérito sorológico será implementado nos sete distritos da capital, em quatro etapas, e tem por objetivo investigar uma porcentagem significativa da população, bem como dos profissionais de saúde, quanto à exposição ao vírus.

Esta estratégia, de acordo com a autoridade sanitária, fornecerá subsídios para ações de saúde pública, dentre elas avaliar a possibilidade de flexibilização do isolamento social, bem como a intensificação das medidas restritivas, identificar a carga da doença, estimar com uma maior acurácia a necessidade de leitos hospitalares, o que se constitui uma medida fundamental para nortear a tomada de decisão por parte do prefeito Iris Rezende.

Ainda de acordo com a Nota Técnica, Goiânia tem hoje à disposição 52 leitos de UTI do Sistema Único de Saúde para o tratamento da doença causada de pelo COVID-19, com perspectivas de abertura de novos leitos para o próximo mês de maio e que a taxa de ocupação desses leitos é de 30,8%, motivo pelo qual o afrouxamento indiscriminado poderá aumentar o número de casos e consequentemente a ocupação dos leitos.

Copyright © 2020 - Nos Opinando - Liberdade de opinião em primeiro lugar. Shared By Fancy Text Generator